segunda-feira, 14 de março de 2016

talvez aos 50, me torne
a andarilha errante que não
fui aos 20, solta
como a menina descalça, com seu
violão de brinquedo, perambulando
pela rodoviária de Itaberaba, descobrindo
vias cobertas de pó, descansando
sob sombras de ipês
roxos, jogando
totó nos bares de beira
de estrada, fazendo gol
com os bonecos sem cabeça,
vermelhos desbotados, grudando
os olhos nas nuvens. talvez
aos 50 eu faça aquele número
de trapézio que sonho
desde os 16 e segure
com as mãos bem firmes, os pulsos
do vento, pra depois aprender a reviravolta
das cambalhotas e então me soltar sem
lembrar se tem
rede ou não. sim,
aos 50 talvez
eu encha envelopes de depósito
de cheques, com pipoca e corra
pela rua jogando
essas pequenas flores brancas
de milho pelo chão, como pistas de algum
caminho até lugares
inseguros, onde eu possa
chorar à vontade
sob o sol das duas
da tarde, sem me preocupar
em seguir ou voltar. aos 50
talvez sim eu vire
a surfista com o sol tatuado
no corpo todo, que sempre quis
ser e leia ondas, enquanto
visito o vácuo com braços
pássaros e me exibo
de cabeça pra baixo, num floater
sem platéia, jogando
os sacos de areia da matraca
do meu pensamento, pra fora,
em cada aéreo coreografado
com as espumas. talvez
aos 50, quando voltar
a ler este poema, eu seja
tudo isso mais
(era) uma vez.

Um comentário:

Jorge Motta disse...

Importante é ser! Fronteiras... fronteiras pra quê?
..sempre ser...sabendo ser!!
Muito bom te ler, viu...
Feliz pelo seu trabalho...
Jorge Marcelo.