sábado, 21 de novembro de 2015

selfie poesia

gravamos esse selfie poesia numa tarde, final de agosto e hoje, nesse fim de novembro, meus cabelos já cresceram e as cadeiras 
aqui de casa estão todas de cabeça pra baixo.

mas sim, os encartes de discos, com as letras de música, que li cantando pra minha mãe, enquanto ela costurava à noite, continuam sendo meu primeiro contato com a poesia.

selfie poesia, projeto de Cazzo Fontoura e Jorge Augusto, que apresenta poetas vivos, vivas!

aqui, uma tarde de agosto, nessa manhã de novembro: