domingo, 23 de novembro de 2014

pombas cruzam com palomas

uma experiência de investigação artística desde américa latina.
videoarte e poesia. 
silvana rezende e eu.
 
compartilhamos essa experiência:
UNEB, Universidade do Estado da Bahia, em Salvador (dia 24/11); no MAC Feira :: Museu de Arte Contemporânea de Feira de Santana (dia 25/11); na Biblioteca Juracy Magalhães Jr., em Itaparica (dia 27/11); em Porto Seguro, na UFSB, Universidade Federal do Sul da Bahia (dia 08/12) e no Galpão da Cultura, de Teixeira de Freitas (dia 09/12).

  



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

sexta-êxtase

poesia e fogos de artifício!










essa sexta (24/10), estaremos juntos, eu, Zéfere e Angélica Freitas, na abertura do festival Latitudes Latinas, no Lalá multiespaço, rua da paciência, rio vermelho, a partir das 20h.

mais informações, pode clicar aqui!


quarta-feira, 8 de outubro de 2014

homenagem do colégio módulo













fui a poeta homenageada do 9º Concurso Literário/2014, do colégio Módulo.


revistas feitas pelos alunos



















na noite do dia 09 do 09 de 2014, vi as traduções que os alunos fizeram de poemas meus em em dança, música e outras explosões.
e no meu coração, as explosões continuam
não vou esquecer essa noite.



tradução do meu poema "de se perder" em dança




tradução dos meus poemas "na praia com Clarice", "dos muros" e "descaso" em dança

a música de Emerson AC sobre meu poema "simples", na voz de Renata

quinta-feira, 7 de agosto de 2014



"mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!" from karina rabinovitz on Vimeo.

um livro novo aconteceu. está acontecendo. de maneira inesperada, como a maioria das alegrias. há dois meses recebi um telefonema de Claudius Portugal (editor da Coleção Cartas Bahianas), me convidando pra lançar mais um livro pela Coleção. minha cabeça estava em outros lugares, outros movimentos, outros caminhos, mas então parei tudo, pra me concentrar nesse novo mundo. poemas inéditos e não inéditos, pro novo quebra-cabeça. adormeci por cima das palavras, entristeci, cantei, tive medo, não tive medo, explodi. e ele aconteceu. o “livro novo”, que ficou com esse nome, durante muitos dias e alguns mais.





















enquanto eu organizava o livro, escolhendo os poemas e arrumando esse novo objeto, por alguma razão mágica, eu li num dos meus cadernos de anotações, essa frase “mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!” e tinha uma indicação minha ao lado: usar essa frase em algum poema, Clarice disse. aí eu me lembrei que numa crônica que li, de Clarice Lispector, chamada “O livro desconhecido”, ela fala de um livro que ela gostaria de ler e que ainda não existe e que talvez ela mesma escrevesse e que seria um livro especial e que, em determinado momento, ela leria uma frase neste livro e essa frase faria com que ela dissesse: “mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!”. essa frase ficou ecoando em mim, porque ela representa o sentimento que eu tive em dois momentos muito importantes da minha vida, o encontro com o yoga e o encontro com a poesia. tanto um, quanto o outro me fizeram e me fazem repetir essa frase, diariamente. e por isso eu entendi, que nesse momento da minha vida, esse seria o título deste novo livro.

tá chegando. “mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!”. esse é meu mantra do momento , que compartilho aqui e agora. está acontecendo. 



lançamento dia 12 de agosto (terça-feira), das 19h às 22h
na Confraria do França (antigo Restaurante Extudo)
Rua Lydio de Mesquita, nº 43, Rio Vermelho, Salvador, Bahia


booktrailer_silvana rezende

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

O LIVRO de água chegou no Centro Cultural BNB Cariri!

e estamos felizes com a nova montagem.

na abertura (dia 01/08), o programa Suvaco de Cobra, de Juazeiro do Norte, veio nos ver e nós fomos convidar, pessoalmente, seu Espedito Seleiro (em Nova Olinda), que nos disse que "artista é que nem fogo de monturo, pode até diminuir a chama aqui, mas quando pensa que não, com certeza reacende mais pra lá. e assim vai insistindo, até nunca apagar!"

foi com essa bênção que abrimos a exposição e o livro no Cariri.
O LIVRO do água fica no Centro Cultural BNB Cariri até 31/agosto.










sexta-feira, 25 de julho de 2014

O LIVRO de água no Cariri!

tamo chegando no Cariri, O LIVRO de água, eu, silvana e a alegria de compartilhar o que fazemos e acreditamos. de hoje a oito (dia um do oito), abertura da exposição O LIVRO de água no centro cultural BNB CARIRI!







quarta-feira, 4 de junho de 2014

um poema que virou livro infantil




"pela bahilha afora eu vou bem sozinha" é um poema que virou um livro infantil. 

tudo começou na oficina literária de Fabiano Calixto (2012), onde o poema começou a ser construido, depois passou por O LIVRO de água (2013), onde ele foi publicado e agora ele segue viagem como livro infantil para todos os estudantes do 1º e 2º ano - do Ciclo de Alfabetização - do ensino fundamental das escolas públicas da rede estadual e municipal da Bahia (2014), porque ele foi um dos vencedores do Edital do Livro Infantil da Secretaria da Educação do Estado.

as ilustrações do livro foram feitas por mim mesma, em parceria com Silvana Rezende.

os 19 livros contemplados vão compor uma coleção, de autores baianos, e farão parte do Cantinho da Leitura de cada sala de 1º e 2º ano, em 370 municípios baianos, contemplando mais de 145 mil estudantes.

estamos em festa!
em 370 municípios baianos e contempla mais de 145 mil estudantes
em 370 municípios baianos e contempla mais de 145 mil estudantes
em 370 municípios baianos e contempla mais de 145 mil estudantes
em 370 municípios baianos e contempla mais de 145 mil estudantes

domingo, 4 de maio de 2014

6 meses depois de receber a bolsa biblioteca nacional-funarte de criação literária, enviamos pelo correio, numa caixa de 32 x 42cm, nossa nova criação (minha e de silvana rezende): poesia em quadrinhos

recém-nasceu!



sábado, 26 de abril de 2014

FLICA 2013


aqui uma longa conversa sobre poesia, quase um longa-metragem. aconteceu há 6 meses, em Cachoeira-Bahia, na FLICA - Festa Literária Internacional de Cachoeira, mas cada vez que alguém clica, acontece de novo. a mesa "qualquer um poeta". Elieser César, Jackson Costa e eu. aqui, agora.