sexta-feira, 14 de agosto de 2009

florzinha do himalaia












quem será ela?
medos, será que tem?
fica mais bela com esse riso,
mas o que estará além
dele?
como chegar até ela?
onde estão seus cabelos, será que tem?
uma alma meio amarela por toda parte.

fico pensando se vem
me contar seu segredo.
talvez seja cedo.
não sei se convém.

o que pensar sobre ela?
que cheiro será que tem?
parece tão próxima assim diante de mim...
imagino se virá algum dia à minha praia.
seu olhar é tão distante,
[como o meu]
a catar flores no Himalaia.

ela sou eu.


postal de renatinho da silveira

6 comentários:

Herculano Neto disse...

Será mesmo o eu em terceira pessoa?
Ou será ela outra que ainda não chegou? Salve as infindas possibilidades da poesia!

Kátia Borges disse...

Gostei demais, inspirações recentes? Se forem, é um bom período de criação. Só tenho lido poemas lindos aqui. Bj

Aurea Abensur disse...

Sempre única!
És maravilhosamente a minha única e adorada filha!
beijos desta tua mãe

karina rabinovitz disse...

sim! a poesia e a poesia por detrás da poesia...

Kátia, este poema foi inspirado no postal de Renatinho da Silveira. É uma série de 5 poemas para 5 postais, dos quais 4 já foram publicados por aqui. São poemas que já nasceram a algum tempo, mas como vivos que estão, passam por mudanças. A matéria da poesia é o tempo e eu gosto do retorno aos poemas e trocar algumas palavras, ordens, finais...

Anônimo disse...

adoro este blog

Tulio Malaspina disse...

obrigado pelo sorriso.