segunda-feira, 31 de agosto de 2009

fragmento 7




fui à janela, esta madrugada,
a tempo de ver setembro chegando,
num cavalo um tanto azul.
e vento e silêncio.


terça-feira, 25 de agosto de 2009

fragmento 3 [livre arbítrio?]



, tanto lobisomem como demônio...

encravado nas pedras
engolidor de moedas.
amarrado ao pé de altares
cobrindo desejos com tarjas pretas,
pesares.
dia-a-dia infeliz.
carregando pastas de papéis e documentos.
o gole de veneno por um triz.


sexta-feira, 14 de agosto de 2009

florzinha do himalaia












quem será ela?
medos, será que tem?
fica mais bela com esse riso,
mas o que estará além
dele?
como chegar até ela?
onde estão seus cabelos, será que tem?
uma alma meio amarela por toda parte.

fico pensando se vem
me contar seu segredo.
talvez seja cedo.
não sei se convém.

o que pensar sobre ela?
que cheiro será que tem?
parece tão próxima assim diante de mim...
imagino se virá algum dia à minha praia.
seu olhar é tão distante,
[como o meu]
a catar flores no Himalaia.

ela sou eu.


postal de renatinho da silveira

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

amigos



eu quando adoeço

nunca sou sozinha.
meu cachorro, meu trevo
e o piano da vizinha,
muito apegados a mim,
adoecem também...

um vai e vem
de desesperança:
piano não toca, trevo amarelece
rabo não balança.
e eu deitada, doente,
me emociono
com a solidariedade
comovente
destes que me amam.