domingo, 15 de fevereiro de 2009

as nuvens da alma


passeio sem dono
pelas nuvens da alma,
um pé sem chão,
acalma por ter céu pra caminhar.

um pouco de sono,
numa manhã sem rumo,
sumo pelo espaço, viro assombração,
com meu tênis luminoso de cadarços de cometa,
antes que cometa o erro
de viver preso ao chão.


poema para o postal de renatinho da silveira

3 comentários:

Aurea Abensur disse...

Viajar nas tuas palavras é mais que um passeio pela tua alma!
Pra ti não só o meu amor de Mãe, mas todo o meu respeito e admiração!
TE AMOOOOOOOOOOO! Mamãe

Amadeu Alves disse...

Realmente é uma viagem sensacional, cheia de nuances, surpresas e encantos a sua poesia.
Um beijo!
Amadeu Alves

Camila disse...

Rábinas,

MORRI com o comentário de Orinho!

Que lindooooooooooooooo esse amor!